DIA MUNDIAL DE COMBATE AO CÂNCER

DIA MUNDIAL DE COMBATE AO CÂNCER

CURSO DE ENFERMAGEM DA UNISC INSERIDO NESSA LUTA !

O dia 8 de abril é lembrado mundialmente como o dia de combate ao Câncer. Essa data foi criada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e tem como objetivo chamar a atenção e alertar a sociedade sobre o aumento dos índices da doença, que, segundo o IBGE, vem crescendo continuamente nas duas últimas décadas.

Câncer é um termo utilizado para um conjunto de doenças que têm em comum o crescimento desordenado de células, que invadem tecidos e órgãos, sendo a segunda causa de mortes do planeta. Segundo dados da Organização Mundial de Saúde, cerca de 7,6 milhões de pessoas morrem vitimadas pelo câncer. Estudos apontam que caso não sejam tomadas medidas de grande impacto, este número ultrapassará a marca de 26 milhões de novos casos e 17 milhões de mortes por ano em 2030, sendo que 2/3 das vítimas ocorrerão nos países em desenvolvimento.

A prevenção do câncer nem sempre é possível, mas há fatores de risco que estão na origem de diferentes tipos de tumor. O principal é o tabagismo. O consumo de bebidas alcoólicas e de gorduras de origem animal, dieta pobre em fibras, vida sedentária e obesidade também devem ser evitados para prevenir os tumores malignos. São raros os casos de câncer que se devem apenas a fatores hereditários.

O Programa Nacional de Atenção Oncológica (PNAO), publicado em 2005, prevê a qualificação, a especialização e a educação permanente dos profissionais da saúde como principal forma de melhorar a atenção oferecida pelo SUS para pacientes oncológicos. No ano de 2006 o Pacto pela Vida, mecanismo proposto pelo Pacto pela Saúde para dar continuidade à implementação do Sistema Único de Saúde (SUS), aponta o controle e a atenção ao câncer como prioridade nacional de saúde. O Pacto pela Saúde também trouxe a Política de Nacional de Educação Permanente em Saúde a qual propõe uma articulação entre as instituições formadoras e os serviços de saúde para agregar conhecimentos na prática profissional que venham a tornar o sistema de saúde condizente com as disposições do SUS (Ministério da Saúde, 2011).

Também prevê a articulação entre o Ministério da Saúde e as Secretarias Estaduais e Municipais de Saúde para implementação das resoluções dispostas na Portaria Nº 2.439. Um dos pontos desta portaria que merece ser abordado é a necessidade de organizar uma linha de cuidado que passe por todos os níveis de atenção: atenção básica,  atenção especializada de média e alta complexidade e de atendimento, abarcando a promoção, a prevenção, o diagnóstico, o tratamento, a reabilitação e os cuidados paliativos (Ministério da Saúde, 2005).

A Portaria Nº 2.439 prevê a necessidade de qualificar a assistência e promover a educação permanente dos profissionais de saúde envolvidos com a implantação e a implementação da Política de Atenção Oncológica, em acordo com os princípios da integralidade e da humanização, assim como fomentar a formação e a especialização de recursos humanos para a rede de atenção oncológica.

Este contexto de diretrizes e políticas públicas traz embasamento para as Instituições de Ensino apropriarem-se do tema e desenvolverem atividades de acompanhamento e qualificação das práticas profissionais da saúde pública.

O Instituto Nacional do Câncer José de Alencar Gomes da Silva (INCA) que exerce atividades de formação, treinamento e aperfeiçoamento profissional na área de oncologia, realizou um estudo no ano de 2001 que pretendia identificar a demanda de qualificação em oncologia para as diferentes categorias profissionais da saúde, nas diversas regiões do país, apontando as prioridades em nível nacional (BRASIL, 2014).

Neste estudo realizado pelo INCA todas as regiões do país participaram e a região sudeste foi a mais representada. As categorias profissionais presentes foram a medicina e a enfermagem em que os profissionais estavam envolvidos na assistência em hospitais especializados em câncer. A maior demanda de qualificação apontada pelos profissionais entrevistados no estudo foi a urgente qualificação da atuação profissional na atenção básica, ao paciente oncológico (BRASIL, 2014).

A PNAO considera a necessidade de estudos que avaliem a efetividade e qualidade da atenção oncológica, bem como a responsabilidade do Ministério da Saúde em estimular a atenção integral e articular entre os três níveis de gestão do SUS (Ministério da Saúde, 2005).

Diante da complexidade da oncologia se faz necessário qualificação dos profissionais da saúde, em especial os enfermeiros através de especializações, de forma a instrumentalizá-los para atuarem na área em todas as suas dimensões.

Investimentos científicos passam a fomentar a pratica assistencial. Desta forma, o CURSO DE ENFERMAGEM da Universidade de Santa Cruz do Sul – UNISC, através de um grupo de docentes com ampla experiência na área e formação acadêmica (especialização, mestrado e doutorado) estruturou um curso de especialização atualizado e com a prática organizada por evidências científicas.

O curso de ESPECIALIZAÇÃO EM ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA vem a conceber o perfil de um profissional com espírito crítico, observador e transformador, capaz de integrar as várias áreas da oncologia de forma a atender às necessidades da sociedade, sendo gestor do cuidado do usuário e da família e com capacidade de refletir sobre a prática da enfermagem, bem como encontrar nesse curso a oportunidade de conhecer, aprofundar e debater conhecimentos e experiências em Oncologia.

Na região de abrangência da UNISC há alguns indicativos da necessidade de ampliação de oferta de profissionais especializados nesta área e da melhoria na qualidade da assistência oncológica. Deste modo, a realização de cursos lato sensu colaboram para o alcance de tal intento, indicando o desenvolvimento de uma proposta sensível, empática e habilidosa para o atendimento dos interesses das instituições bem como, das/os enfermeiras/as na busca de aprimoramento de sua formação. Esta proposta pretende explicitar a visão integrada e contextualizada da saúde das pessoas inserida na família e na comunidade, assim como estimular atividades assistenciais associadas às gerenciais, atuando também no ensino e pesquisa da enfermagem oncológica.

Assim, este curso de especialização propõe-se a oferecer, além do conhecimento aprofundado e atual sob os diversos aspectos da temática, a formação prática em hospital de referência no estado, alinhado às políticas públicas da atenção oncológica e do SUS, contribuindo também para o fortalecimento das relações de ensino e serviço.

Prof.ª Ingre Paz                                                                                                                                                                              Prof.ª Daiana Klein Weber Carissimi                                                                                                                                          Curso de Enfermagem Unisc

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *